Cientista-chefe de missão brasileira à lua conversa sobre vida fora da Terra no Museu Ciência e Vida

O Brasil vai à lua. Essa é uma das missões do projeto Garatéa, que pretende estudar as condições de vida no universo com experimentos em uma sonda lunar. O principal pesquisador da missão, Douglas Galante, vai falar sobre este projeto e também sobre como é procurar vida fora da Terra no evento “Destino da vida na lua”, no dia 6 de julho (sábado), às 14h, no Museu Ciência e Vida, em Duque de Caxias (RJ). O evento conta com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. A entrada é gratuita.

A atividade faz parte das comemorações dos 50 anos da chegada à lua, realizada em julho de 1969, quando os Estados Unidos conseguiram, enfim, realizar a alunissagem. Pela primeira vez na história, a lua era pisada por nós. Agora, 50 anos depois, a conquista espacial ganha novos ares e a busca pela vida continua sendo uma questão levantada pelos cientistas – e é sobre essa questão que se debruça a astrobiologia.

A missão Garatéa, por exemplo, pretende analisar o comportamento da vida em situações extremas. Uma sonda, que será enviada à lua, vai avaliar como bactérias e células se comportam com a exposição aos raios cósmicos. Além disso, a sonda vai captar imagens de regiões do face oculta da lua, aquela que nunca se torna visível para nós, na Terra.

O Museu Ciência e Vida comemora com este evento a data. Após a conversa, além de tirar dúvidas com o cientista, o público poderá participar de uma sessão especial no planetário. Para o mês de julho, várias atividades com a temática da lua serão realizadas, com oficinas, contações de histórias, jogos em grupos e, claro, as sessões de planetário.

 

Sobre o convidado – Douglas Galante é bacharel em Ciências Moleculares e doutor em Astronomia (USP), com tese sobre os efeitos de eventos astrofísicos de alta energia em planetas, uma das primeiras teses de pesquisa no Brasil com o assunto principal em astrobiologia. Como pós-doutorando, trabalhou na fundação do Núcleo de Pesquisa em Astrobiologia (NAP/Astrobio), na USP, e foi aceito como parceiro internacional do Nasa Astrobiology Institute (NAI). Desde então, a organização está trabalhando na promoção da astrobiologia e das ciências espaciais no Brasil.

Atualmente, Douglas é pesquisador e coordenador da linha de luz do Laboratório Nacional de Luz Sincrotron (LNLS / CNPEM), principalmente trabalhando com ciências planetárias, com abordagens teóricas, experimentais e de campo. Seus trabalhos estão focados na compreensão das interações e efeitos de ambientes simulados e análogos sobre a vida e suas biomoléculas, usando extremófilos (organismos que conseguem ou precisam viver em ambientes de condições extremas) como organismos de teste. Ele também pesquisa a vida passada na Terra (fósseis e microfósseis), o que pode servir de base para a busca da vida extinta em Marte.

 

Serviço:

Destino da vida na lua – conversa com o astrobiólogo Douglas Galante

Data: 6 de julho, sábado

Horário: 14h

Onde: Museu Ciência e Vida, Duque de Caxias – RJ

Telefone: 3777-9058

Entrada gratuita